2020: O risco vai compensar?

10 de julho de 2020

Nada vai mudar?



Veja, essa não é a opinião do Mosca, mas existem poucos investidores que acreditam nisso. Talvez as duas maiores dúvidas que existem hoje são: Haverá uma vacina eficiente contra a Covid-19? Se sim, quando estará disponível? o mundo no futuro vai mudar?

Se eu fizesse uma pesquisa, acredito que a grande maioria dos leitores responderiam sim a primeira pergunta, sem ter uma precisão de quando estaria disponível a vacina (talvez 1º semestre de 2021); e sim a segunda. Dessa forma, vale a pena saber quais são os argumentos de quem acha ao contrário. Um artigo publicado pela Bloomberg entrevista um grande empresário que pensa diferente.

Esqueça o trabalho em casa e as reuniões do Zoom. Barry Diller está apostando que o futuro se parece muito com o passado. "Você não pode viver neste momento em que projetamos o futuro com base nas circunstâncias atuais". "Acho que as mudanças serão relativamente pequenas."

Ele é um bilionário que fez sua fortuna primeiro como magnata de Hollywood e, mais recentemente, em namoro online. Diller está prevendo que a vida volta ao normal quando existir uma vacina contra o coronavírus. As famílias novamente vão tirar férias e os gerentes enviam seus funcionários para conferências.

Poucos executivos compartilham dessa opinião. Muitos estão se preparando para um mundo permanentemente alterado pela pandemia, divulgando as virtudes da videoconferência e discutindo planos de reduzir o tamanho dos imóveis.

Para Diller, que aos 78 anos passou por 12 recessões, "as pessoas perderam toda a objetividade". Ele rejeita ideias como "um novo sabor de sorvete", que sai de moda, assim que voltar a ser seguro fazer negócios da maneira antiga.

A sabedoria da visão de Diller dependerá da rapidez com que o mundo desenvolve uma vacina e se o número crescente de mortos mantém o público longe de aviões e escritórios, como o que, a Expedia de Diller acabou de terminar, a um custo de mais de US $ 1 bilhão. A nova sede corporativa em Seattle tem espaço para 15.000 pessoas. Semanas depois que a empresa se mudou, o primeiro caso de coronavírus nos EUA foi relatado no estado de Washington.

Diller disse que voltar ao escritório será "uma coisa obrigatória" na Expedia e na IAC / InterActive Corp., seu conglomerado de negócios na Internet com sede em Nova York, e ele não está disposto a deixar os funcionários trabalharem em casa, mesmo um dia por semana.



"A longo prazo, não vamos reconfigurar nossos escritórios para distanciamento social", disse ele. "Faremos o que achamos sábio e sensível à saúde de nossos colegas".

A IAC, cujas empresas incluem Vimeo e HomeAdvisor, se beneficiou amplamente da pandemia, à medida que mais negócios passaram para as plataformas online.

Por enquanto, a Expedia ainda está no modo de sobrevivência. As reservas caíram 85% em março e abril e os clientes ficaram ociosos em todo o mundo, com as companhias aéreas cancelando voos. A empresa levantou quase US $ 4 bilhões em dívidas e ações preferenciais, além de cortes de custos acelerados.

Embora otimista quanto à recuperação do coronavírus, Diller está criticando a resposta dos EUA. Ele chamou a reabertura econômica do Sul e do Sudoeste de "bastardo". Em vez do pico gerenciável nos casos que ele esperava, a contagem diária de infecções nos EUA subiu para novos patamares, e os governadores de estados como Flórida, Texas e Califórnia reposicionaram restrições, aumentando a chance de uma recessão dupla.

Meu maior medo era e continua sendo o de reabrir e ter que desligar novamente", disse Diller. "Isso para mim é realmente catastrófico."

Se Barry Miller fosse um analista econômico, suas ideias poderiam ser questionáveis. Mas sendo um empresário, coloca em risco seu capital de acordo com suas ideias. Se estiver certo vai ganhar muito dinheiro, pois o mercado caminha em sentido contrário. O gráfico a seguir elaborado pelo Bank of America, separou as ações em dois portfolios: As empresas que se beneficiam com o lockdown comparado com as empresas que se beneficiam com a reabertura. A primeira subiu 43% a mais que a segunda desde o começo de 2020.


Um indicador da recuperação, que foi criado pela Oxford Economics, está ainda abaixo dos níveis ex-Covid. Se pode notar uma certa desaceleração das últimas semanas que provavelmente foi ocasionado pelo aumento do número de casos nos EUA.


No post show-de-bola, fiz os seguintes comentários sobre o euro: ... “Nada de muito expressivo ocorreu com a moeda única, que se encontra ao redor de € 1,125” ... ...” As perspectivas parecem animadoras para o euro, caso se confirme a mínima de € 1,0635 esse ano. Com o movimento de curto prazo confirmando a tendência de alta, podemos esperar dois objetivos no médio prazo: primeiro € 1,20, que se ultrapassado o próximo seria € 1,285, conforme grifei a seguir” ...

A moeda única encontra-se indecisa, negociando nesses últimos dias num intervalo bastante restrito, entre 1,12 e 1,135. Conforme apontei abaixo, o caminho seria aberto caso ultrapasse 1,1380 - 1,1400. Nossa posição continua comprada com metade do volume.

Mas, também não vou me surpreender se o euro cair abaixo de nosso stoploss a 1,1180, ou fique mais tempo negociando nesse intervalo restrito (triângulo?). Só nos resta esperar para ver o que irá ocorrer nos próximos dias.

 
O SP500 fechou a 3.185, com alta de 1,05%; o USDBRL a R$ 5,3238, com queda de 0,33%; o EURUSD a 1,1298, com alta de 0,15%; e o ouro a U$ 1.798, com queda de 0,25%.

Fique ligado!

2 comentários:

  1. Não esqueçam a imunidade de rebanho que deve ocorrer antes do final do ano! O vírus não acha hospedeiro e enfraquece sua capacidade de disseminação! Outras vacinas demoraram seis anos e a pandemia acabou muito antes! Não fosse assim a humanidade estaria extinta!

    ResponderExcluir
  2. Parabens pelos artigos e pela constancia dos posts. Um abraço

    ResponderExcluir