2020: O risco vai compensar?

3 de julho de 2020

Show de bola



Durante os últimos anos o mundo observou o surgimento da China como potência econômica e liderança política. É indiscutível que o modelo adotado naquele país está dando certo. Muito se comenta que esse crescimento é feito às custas de falta de liberdade, o que parece ser verdade.

Minha formação familiar se deu no modelo europeu, a disciplina fez parte da minha educação. Essa atitude foi reforçada quando servi o CPOR. Hoje em dia acredito que, para comandar um batalhão de gente sem disciplina vira bagunça. No caso da China não tinha outra maneira de colocar esse país em destaque não fosse desse jeito.

Fico me questionando se é melhor um estado democrático onde tudo é mais complicado e nem sempre se consegue implementar mudanças. Sempre fica a dúvida como proceder numa situação dividida? Também sei que, um regime autoritário é muito perigoso, pois dá margem a diversas atrocidades, além do fato de concentrar a decisão em poucas pessoas que podem não ter toda boa intenção. Mas o exemplo da China mostra avanços em todas as áreas, elevando o bem estar de sua população, se é viável no longo prazo, Who knows?

Enquanto o mundo hoje se encontra enrolado por todos os lados com: primeira onda; segunda onda; abre e fecha; e sei lá mais o que, a economia da China ganha força depois das mediadas sobre o coronavírus. Os dados sugerem que o tratamento firme da pandemia em Pequim restaurou a confiança suficiente para permitir que a recuperação ganhe impulso.

A atividade econômica está ganhando força na China, o último sinal de que a abordagem intransigente de Pequim para combater a pandemia de coronavírus está começando a pagar dividendos, mesmo quando os EUA fecham trechos de sua economia em uma luta para conter o problema do vírus.

Um indicador privado da atividade do setor de serviços da China, divulgado na sexta-feira, subiu em junho ao nível mais alto em mais de uma década, com o alívio das medidas de controle de vírus em muitas partes do país impulsionando a demanda do consumidor. O índice de gerentes de compras de serviços da Caixin China saltou para 58,4 em junho, ante 55,0 em maio.


A leitura de junho ficou muito acima da marca dos 50 que separa expansão e contração, sinalizando uma rápida recuperação mês a mês. Enquanto a economia da China está ganhando força rapidamente, o nível real de atividade permanece muito abaixo dos níveis pré-vírus.

Em fevereiro, a pesquisa de serviços da Caixin caiu para uma baixa histórica de 26,5, sugerindo uma dramática retração na atividade no setor de serviços da China. A leitura permaneceu profunda em território contracionista por mais dois meses antes de voltar à expansão em maio.

A forte recuperação nos serviços esteve alinhada com um trio de outros pontos de dados relatados no início da semana. O índice oficial de atividades não-manufatureiras do governo, divulgado terça-feira, saltou para sete meses em junho, enquanto a pesquisa oficial do PMI de manufatura atingiu a melhor marca em três meses.

Tomadas em conjunto, as leituras sugerem que o manuseio firme da pandemia de coronavírus pela China restaurou confiança suficiente para permitir que a economia ganhasse impulso, aumentando as esperanças de uma recuperação completa no final deste ano.

Embora dolorosa no curto prazo, a estratégia da China de eliminar o coronavírus antes de tentar uma grande reabertura da economia está começando a parecer a decisão certa, disse Ding Shuang, economista da Standard Chartered de Hong Kong - especialmente em comparação com os EUA.

Dadas as incertezas quanto ao momento e à eficácia do desenvolvimento da vacina para o coronavírus, "a vantagem dessa abordagem, devo dizer, é bastante óbvia", disse Ding.

Nos últimos dias, muitos estados dos EUA foram forçados a reverter o curso, fechar restaurantes e bares e exigir coberturas faciais em ambientes públicos, pois novas infecções diárias ultrapassaram 50.000 na quarta-feira pela primeira vez.

Enquanto isso, na China, as autoridades de saúde atacam agressivamente até pequenos surtos à medida que surgem em todo o país. O cluster mais recente, que eclodiu no maior mercado atacadista de alimentos no mês passado, provocou uma resposta rápida e vigorosa do governo local, incluindo o teste de milhões de cidadãos e novas restrições aos movimentos de pessoas dentro e fora da capital.

Na sexta-feira, as autoridades de saúde chinesas registraram apenas duas novas infecções transmitidas localmente no país no dia anterior, ambas em Pequim.

A experiência da China com a dor econômica provocada há 17 anos pela síndrome respiratória aguda grave, ou SARS, levou as autoridades a adotar medidas administrativas vigorosas e sistemáticas para evitar a propagação da infecção, estabelecendo assim as bases para a recuperação econômica acelerada dos últimos meses.

Mesmo quando surtos periódicos em toda a China levaram as autoridades locais a impor novas restrições, o país como um todo viu sua recuperação econômica praticamente desimpedida, elevando as expectativas dos economistas de um pleno retorno ao normal no segundo semestre do ano.

Os surtos esporádicos na China não devem prejudicar sua recuperação econômica, disse Lian Ping, economista do Zhixin Investment Reserach. O economista de Xangai está prevendo um crescimento econômico ano a ano superior a 6% no segundo semestre de 2020 - praticamente em linha com a taxa de crescimento do produto interno bruto de 6,1% que a China relatou em 2019.

No primeiro trimestre deste ano, a China sofreu uma contração de 6,8% no PIB, sua primeira retração em mais de quatro décadas.

"Enquanto a situação geral estiver sob controle, alguns surtos aqui e ali não se tornarão grandes ondas", disse Lian.

Apesar da perspectiva geralmente mais positiva, o sentimento em relação à contratação permanece fraco, mostraram as pesquisas dos gerentes de compras desta semana. Os economistas temem que a pressão persistente de emprego na China, incluindo uma turma de graduação historicamente grande e dezenas de milhões de trabalhadores migrantes desempregados, bem como a incerteza econômica nos EUA - um grande cliente para produtos chineses - ainda possam prejudicar a recuperação da China a longo prazo.

Esses desafios deixam pouco espaço para os formuladores de políticas de Pequim relaxarem as medidas de alívio relacionadas ao coronavírus.

No início desta semana, o banco central da China disse que reduziria as taxas de empréstimos para pequenas empresas e tomadores de empréstimos rurais, seu mais recente esforço para reduzir as taxas de juros.

A reação da bolsa de valores chinesa aponta uma performance bastante distinta da de outros países ocidentais. No gráfico a seguir, se nota que a queda máxima relativa ao coronavírus foi de 17%, muito inferior a bolsa americana, medida pelo SP500 em 35%. No pregão de hoje, a bolsa chinesa ultrapassou a marca de maio de 2015.


Mas não é somente nesse parâmetro que a comparação favorece a China. Na medição do índice de volatilidade, enquanto nesse país uma máxima de 30% ocorreu durante fevereiro e março, a americana atingiu a estratosférica marca de 90%. Os investidores chineses sofreream bem menos do que todos nós.



Então o que será melhor, o sistema Chinês ou do mundo Ocidental?

No post robin-hood, fiz os seguintes comentários sobre o euro: ...“Uma ordem de trade contra o movimento mais recente e dentro de uma correção, é sempre uma loteria” ... ...” A primeira posição foi completada na semana passada a € 1,1180, que depois de apresentar alguns dias de alta, atingindo € 1,1340, vem recuando e se aproxima do preço de entrada que também é o stoploss ajustado. Vamos permanecer com a outra ordem nas mesmas condições pré estabelecidas, tanto em termos de tamanho como de stoploss” ...

Nada de muito expressivo ocorreu com a moeda única, que se encontra ao redor de 1,125. Por outro lado, um movimento de menos pessimismo está se instalando entre os economistas, em relação a Europa, pois não enfrentam tantos problemas com a pandemia como é o caso nos EUA.

As perspectivas parecem animadoras para o euro, caso se confirme a mínima de 1,0635 esse ano. Com o movimento de curto prazo confirmando a tendência de alta, podemos esperar dois objetivos no médio prazo: primeiro 1,20, que se ultrapassado o próximo seria 1,285, conforme grifei a seguir.

- David, o que aconteceria caso o euro continue a subir acima do nível de 1,285?
Está otimista hein? Até esse nível, eu poderia concluir que essa é mais uma correção como as muitas que ocorreram antes, e que quando terminada, a moeda única iniciaria um novo movimento de queda. Porém, se esse nível for ultrapassado, poderemos elaborar um cenário com a nascença de um novo ciclo de alta de longo prazo, que poderia levar o euro acima da máxima histórica de 1,60.

Essa observação só foi feita por conta da pergunta do nosso amigo. Caso esse cenário se concretize, deve demorar algum tempo, muitos meses. Teremos tempo para nos preparar. Nem vale a pena especular o que aconteceria nos EUA para tamanha queda, mas motivos existem!

O USDBRL fechou a R$ 5,3179, com queda de 0,89%; o EURUSD a 1,1244, sem variação; e o ouro a U$ 1.774, sem variação.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário