2020: O risco vai compensar?

10 de agosto de 2020

Da prática para a teoria

 

Vocês devem achar que eu me enganei no título, afinal a idade é implacável para todos. Mas não é o caso. Muitos acadêmicos alertam para os riscos de inflação quando os governos efetuam maciças injeções de liquidez. Porém, não tem ocorrido. Um artigo da Bloomberg chama a atenção para esse fato.

A pandemia de coronavírus elevou os gastos deficitários a novas alturas. A dívida federal em poder do público deve atingir 100% do produto interno bruto neste ano, efetivamente retornando aos níveis da Segunda Guerra Mundial:


O Federal Reserve, entretanto, também tomou medidas sem precedentes, aumentando seus ativos totais de cerca de US $ 4 trilhões no início da pandemia para cerca de US $ 7 trilhões agora:

 A grande questão é quando, se isso acontecer, essa ação agressiva do governo começará a gerar consequências negativas, como a inflação acelerada. Os macroeconomistas deveriam investigar esta questão vigorosamente. Mas, até agora, o interesse pela questão parece estranhamente silenciado entre os acadêmicos convencionais.

Antes da crise financeira de 2008, o modelo acadêmico dominante do ciclo de negócios sustentava que havia um tradeoff entre inflação e desemprego - uma nova versão do que é conhecido na economia como a Curva de Philips. Ao administrar as taxas de juros, argumentaram os teóricos convencionais, o banco central navegaria serenamente entre as rochas da inflação e os bancos de areia do desemprego. Não havia muito espaço para dívida governamental nesse modelo.

A recessão de 2008 parecia que poderia representar um grande desafio para esse paradigma, mas a maioria dos macroeconomistas enfrentou o desafio simplesmente remendando os modelos antigos. Eles se apegaram ao setor financeiro e permitiram que, quando as taxas de juros nominais se aproximassem de zero, o estímulo fiscal junto com a flexibilização quantitativa tivesse de ser introduzido.

Mas isso ainda deixava a questão de quais seriam os limites do estímulo e do QE. Os economistas tradicionais perceberam que, como o governo pode usar a política monetária para reduzir as taxas de juros e até mesmo financiar empréstimos governamentais diretamente, nunca haveria um risco real de inadimplência soberana; se os investidores privados parassem de comprar títulos do Tesouro e as taxas começassem a subir, o Fed poderia aumentar a folga. A única restrição real à ação do governo era a possibilidade de inflação, caso o Fed criasse muito dinheiro.

 Mas quando a inflação entraria em ação? A única resposta dos economistas foi, basicamente, que isso aconteceria em algum momento. Alguns economistas temeram que o QE estivesse prestes a causar uma inflação rápida, até mesmo escrevendo uma carta aberta ao ex-presidente do Fed, Ben Bernanke, alertando-o para interromper o QE. Mas Bernanke não parou e a inflação nunca veio. O Banco do Japão se envolveu em um programa ainda mais vigoroso, comprando uma fração apreciável do mercado de ações do país. Mas a inflação nunca atingiu de forma consistente a meta de 2% do banco:


 O fracasso da inflação em se materializar em resposta ao enorme estímulo fiscal e monetário na década de 2010 deveria ter estimulado uma atividade vigorosa entre os acadêmicos para tentar descobrir por quê. Mas estranhamente, isso não aconteceu. Alguns estudiosos sugeriram que as taxas de juros baixas eram, na verdade, deflacionárias, mas essa ideia nunca pegou. A maioria dos macroeconomistas, se eles se preocuparam em abordar a questão, simplesmente presumiram que em algum ponto a inflação aumentaria, e que os países desenvolvidos simplesmente não haviam alcançado esse ponto ainda. Até agora, a pandemia de coronavírus parece uma repetição da crise financeira a esse respeito; apesar dos déficits e da expansão monetária sem precedentes, os mercados esperam que a inflação fique abaixo da meta na próxima década:


 Mas a inflação inegavelmente acontece às vezes, em alguns lugares. A Venezuela e o Líbano experimentaram recentemente hiperinflação, com o primeiro atingindo uma taxa anual de mais de 130.000%. As consequências econômicas são devastadoras - ainda piores do que um default soberano. A questão é porque, onde e em que condições a hiperinflação acontece e como pode ser interrompida.

 Em vez de teorias giratórias que efetivamente apenas dizem que a hiperinflação acontecerá em algum ponto desconhecido, os macroeconomistas poderiam olhar para os países que experimentam hiperinflação, ou chegar perto, mas conseguir evitá-la. Eles devem usar esses exemplos históricos e internacionais para aprender lições sobre quando, onde e por que esse tipo de catástrofe acontece e como pode ser evitada. Mas o trabalho seminal sobre hiperinflação continua a ser o artigo de 1982 do economista Thomas Sargent, "The End of Four Big Inflations". Este artigo, além de ter quatro décadas de existência, extrai todos os seus exemplos de economias da Europa Central após a Primeira Guerra Mundial - circunstâncias muito diferentes das economias de hoje.

 Novos trabalhos sobre hiperinflação são necessários com urgência. Uma questão chave é se a inflação galopante acontece devagar o suficiente para que o governo possa reverter o curso no tempo, ou se é instantânea e catastrófica. Outra questão é se o financiamento monetário direto de novos empréstimos governamentais é um gatilho para a hiperinflação. Uma terceira é se, e como, a fuga de capitais está envolvida. Um quarto é como o tipo de gasto do governo muda, quer os mercados esperem que os déficits sejam temporários ou permanentes. Existem muitas outras questões importantes além dessas.

É inegável que, nessas últimas décadas, pois se deve incluir o caso do Japão, a ameaça de inflação não se materializou, embora por diversas vezes o livro texto de economia indicaria que a inflação subiria a níveis perigosos. Essa é a realidade, está faltando a teoria explicar o que ocorreu de errado em seus modelos, ao invés de criar desculpas do tipo: os japoneses são diferentes dos ocidentais, não aconteceu, mas vai acontecer entre outras. Talvez falte aos economistas um grau de flexibilidade e partir de forma inversa para buscar as respostas.

No post Esse será o novo normal?, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ... “Enquanto estiver contido entre R$ 5,18 e R$ 5,50, nada poderemos dizer sobre seu movimento seguinte. Se romper um dos estremos: na parte superior aumentam as chances de R$ 5,70, como comentado acima; e abaixo de R$ 5,18 o target entre R$ 4,80/R$ 4,70 fica na mira” .... Não teria nada a acrescentar ao que foi dito acima, mantenho os parâmetros.


Venho nos últimos post sobre o real acrescentado informações macroeconômicas que seriam de interesse dos leitores. Inicialmente, os dados de PMI de manufatura do mês de julho para o Brasil, apontam para resultados positivos. Agora é necessário acompanhar os próximos meses a fim de eliminar uma eventual reposição de estoques.


No campo da balança comercial, as importações alcançaram os níveis de 2016, enquanto as exportações se mantiveram num nível mais elevado, em função do aumento da exportação de commodities. Isso se traz num importante aumento de superávit na conta corrente, eliminado uma vulnerabilidade externa.


O SP500 fechou a 3.360, com alta de 0,27%; o USDBRL a R$ 5,4813, com alta de 0,78%; o EURUSD a € 1,1737, com queda de 0,42%; e o ouro a 2.027, com queda de 0,34%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário