2020: O risco vai compensar?

24 de agosto de 2020

Ficando com as sobras

Os bancos centrais em mercados emergentes, passou por uma revolução silenciosa durante a pandemia COVID-19. Ao contrário de crises anteriores, eles conseguiram imitar o que os bancos centrais das economias avançadas vêm implementando: políticas anticíclicas com flexibilização quantitativa (QE), compras de ativos em moeda local, cortes nas taxas de juros e monetização dos déficits governamentais.

No passado, essas políticas teriam alimentado a inflação e pressionado a taxa de câmbio para baixo. Não desta vez. Com a exceção de alguns bancos centrais que já estavam em apuros antes da pandemia, os bancos centrais de mercados emergentes puderam usar o QE para criar mais espaço de manobra na resposta à crise.

As políticas monetárias nas economias avançadas possibilitaram essa mudança. Seus próprios programas de QE tiveram efeitos colaterais positivos, e eles expandiram suas operações de swaps de moeda e recompra (repo) de câmbio em resposta à crise. Entre as medidas tomadas pelos bancos centrais globalmente sistêmicos (GSCBs), a resposta do Federal Reserve dos EUA foi a mais importante, mas as trocas e repos do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco Popular da China (PBOC) também tiveram um impacto significativo a nível regional.

Os efeitos dos cortes nas taxas de juros e das enormes injeções de liquidez nas economias avançadas atingiram os mercados emergentes como resultado da busca global por rendimentos. Depois de uma queda inicial do mercado em março, os fluxos de capital voltaram aos mercados emergentes, que viram alta emissão de dívida nos meses subsequentes. Os mercados emergentes também conseguiram reduzir suas taxas de juros e seus bancos centrais começaram a emitir ativos denominados em moeda nacional nos casos em que o mercado é suficientemente grande.

Enquanto isso, a expansão maciça dos swaps de moeda pelas GSCBs aliviou as pressões sobre as taxas de câmbio. Essas linhas de swap atuam como redes de segurança para evitar a escassez de moeda estrangeira nos mercados domésticos. No início da pandemia, o Fed reativou seus acordos de swap permanentes com o BCE, o Banco do Canadá, o Banco da Inglaterra, o Banco do Japão e o Banco Nacional da Suíça, ao mesmo tempo em que estendia seus vencimentos. Em seguida, forneceu linhas de swap para os bancos centrais da Austrália, Brasil, Dinamarca, Coréia do Sul, México, Nova Zelândia, Noruega, Cingapura e Suécia.

Embora o Fed tenha implementado medidas semelhantes durante a crise financeira global há uma década, agora ele foi muito mais longe. No final de março, passou a oferecer uma nova linha de recompra temporária adicional para autoridades monetárias estrangeiras e internacionais (FIMAs). Esse arranjo permite que bancos centrais e instituições monetárias públicas em todo o mundo usem seu estoque existente de títulos do Tesouro dos Estados Unidos como um canal para acessar a liquidez em dólares dos Estados Unidos.

Embora os repos não sejam swaps cambiais genuínos (porque os FIMAs já devem ter ativos denominados em dólares como garantia), eles provaram ser uma fonte poderosa de confiança do mercado. E como a mera disponibilidade de repos pode ser suficiente para tranquilizar os mercados, eles não precisam ser usados ​​em muitos casos.

Mesmo assim, a situação dos mercados emergentes, não se aproveita da mesma maneira que o passado, ou que se poderia esperar, ocasionado pela desvalorização do dólar frente as moedas do G-10. Se essa divergência vai continuar ou reverter no futuro é uma dúvida que vale alguns bilhões de dólares!


A margem adicional de manobra dos bancos centrais de mercados emergentes durará enquanto as políticas monetárias das economias avançadas permanecerem suficientemente expansionistas. As chances para isso são altas no curto e médio prazo, porque os bancos centrais de economia avançada não foram capazes (por várias razões) de sair totalmente do QE que lançaram há uma década, mesmo após a recuperação do crescimento e do emprego.

Agora, dada a pandemia e a profunda recessão econômica que ela causou, efetivamente não há fim à vista para o QE. Além disso, vários bancos centrais estão formalmente comprometidos em manter as taxas de juros baixas ou mesmo negativas, e as novas moedas digitais dos bancos centrais podem tornar essas políticas relativamente fáceis de implementar.

O resultado para os bancos centrais de mercados emergentes, então, é que eles provavelmente continuarão a desfrutar dos efeitos colaterais da política monetária dos GSBCs no futuro previsível. Mas há limites para os benefícios dessa liberdade política. Muitos bancos centrais de mercados emergentes podem em breve sofrer consequências indesejadas em termos de estabilidade financeira e governança.

Afinal, o QE e uma recessão prolongada atingirão inevitavelmente os balanços patrimoniais de empresas, famílias e, eventualmente, bancos. Quando isso acontecer, as falências e os empréstimos inadimplentes aumentarão, e os governos dos mercados emergentes descobrirão que ainda têm muito menos espaço fiscal do que seus colegas da economia avançada para lidar com esses problemas.

Problemas de governança também devem vir à tona. As compras de ativos do banco central que vão além dos títulos do governo levantarão preocupações sobre transparência e responsabilidade. Na verdade, isso pode se tornar um problema também nas economias avançadas (embora elas ainda tenham a vantagem de mais espaço fiscal e arranjos institucionais robustos).

De uma forma ou de outra, as vulnerabilidades dos mercados emergentes provavelmente se tornarão aparentes em vários domínios da estabilidade e governança financeira doméstica. Os formuladores de políticas nesses países fariam bem em manter a guarda alta.

No caso brasileiro, mesmo com um nível elevado de reservas, a percepção do mercado não foi tão positiva. Sendo um dos países emergentes que implementou um aumento de gasto publico muito maior que seus pares, e levando em conta um legislativo mais propenso a gastanças que a economias, a desvalorização do real ficou entre as piores conforme se nota a seguir.

Esse efeito é consequência do fluxo de recursos de estrangeiros, que não fosse os investimentos diretos, estariam na mesma magnitude que a lira turca, que se encontra numa situação muito pior que a brasileira.

No post o-dólar-vai-virar-pó, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ... “No gráfico acima apontei dois possíveis níveis de curto prazo caso o dólar resolva subir: o primeiro ao redor de R$ 5,50/R$ 5,52 e o segundo R$ 5,82. Depois disso, espero uma queda se desenvolva levando o dólar a R$ 4,65” ...

Como estava desconfiado, o dólar acabou suplantando o primeiro patamar sugerido para a reversão. Agora, permanece o segundo intervalo, que segundo os cálculos, assume um intervalo compreendido entre R$ 5,75/5,81/5,87, nessa sequência. Em algum desses níveis espero ocorra a reversão.

O SP500 fechou a 3.431, com alta de 1,01%; o USDBRL a R$ 5,5930, com queda de 0,47%; o EURUSD a € 1,1790, sem variação; e o ouro a U$ 1.926, com queda de 0,68%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário