2020: O risco vai compensar?

5 de agosto de 2020

Destruição Criativa

O economista austríaco, Joseph Schumpeter, definiu um conceito denominado de Destruição Criativa, versando sobre as transformações que ocorrem no Capitalismo, que segundo ele, jamais seria estático e está em constante evolução. O fenômeno da Destruição Criativa ocorre quando empreendedores criam produtos ou novas formas de produzir que florescem causando mudanças na economia.

A Destruição Criativa tem dois lados. Se por um lado, há inovação e mais opções para as pessoas consumirem e empreenderem, por outro lado, os indivíduos ou instituições que trabalhavam em determinada área antes da inovação podem ficar temporariamente fora do mercado, nunca voltarem a se integrarem a ele ou nunca mais desfrutarem da prosperidade que tinham antes. Schumpeter demonstrou com sua teoria que a dor e o ganho do Capitalismo estão intrinsecamente ligados, pois o processo de estabelecimento de novas indústrias varre a ordem que existia antes.

Feita essa breve introdução vou dar uma outra visão na pseudo disparidade que as pessoas estão observando, pelo fato do mercado de ações está nas alturas, mas a economia está na penúria.

A economia que muitas pessoas experimentam, embora sombria, é local, pessoal e, na maioria das vezes, não é negociada publicamente ou desempenha apenas uma pequena parte dos movimentos do mercado de ações. Para explicar por que essas experiências pessoais têm tão pouco efeito nos mercados de ações, precisamos examinar mais de perto o papel de mercado, dos setores mais fracos da indústria.

A conclusão surpreendente: as indústrias mais visíveis e economicamente vulneráveis ​​também estão entre as menores, com base em seu peso de capitalização de mercado em grandes índices como o S&P 500. Os mercados, ao que parece, não são especialmente vulneráveis ​​a indústrias altamente visíveis, mas relativamente pequenas. As 30 categorias da indústria mais danificadas economicamente poderiam ser retiradas da lista, antes da abertura do mercado e dificilmente reduziriam mais de alguns pontos percentuais o S&P 500.

Isso ocorre apesar do pior colapso econômico dos EUA desde a Grande Depressão. Todos os dados econômicos são tão ruins que os números do produto interno bruto, do desemprego e das reivindicações iniciais de desemprego devem ser redimensionados para se ajustarem aos gráficos, razão pela qual, me comprometi a não publicar mais essas publicações.

Mas a economia dos EUA não é o mercado de ações e vice-versa. Os chamados FAANGs (junto com a Microsoft) obtêm cerca da metade - e em alguns casos ainda mais - de sua receita no exterior. Além disso, o bloqueio pandêmico nos EUA beneficiou as vendas e os lucros das empresas gigantes de tecnologia. Não é de admirar que o Nasdaq 100, que é dominado por grandes empresas de tecnologia, suba cerca de 26% este ano.

Mas uma pessoa razoável pode argumentar que o PIB caiu cerca de um terço no segundo trimestre e o S&P 500 deve estar em sintonia com isso. Além disso, das 500 empresas do S&P 500, cerca de 450 delas estão se saindo terrivelmente. Indústrias como varejo, viagens, energia, entretenimento e restaurantes viram as vendas evaporarem. As falências estão se acumulando - o lendário varejista, fundado há 200 anos, Lord & Taylor, é apenas o mais recente - e mais certamente virão. No entanto, o S&P 500, após uma enorme queda em março, subiu 2% este ano.

A capitalização de mercado explica o porquê.

Comece com algumas das indústrias com o pior desempenho em 2020: até o momento (no final de julho), elas incluem lojas de departamento, uma queda de 62,6%; companhias aéreas, queda de 55%; serviços de viagens, queda de 51,4%; equipamentos e serviços de petróleo e gás, queda de 50,5%; resorts e cassinos, queda de 45,4%; e fundos de investimento imobiliário em hotéis e motéis, queda de 41,9%. Os próximos 15 setores da indústria no índice caíram entre 30,5% e 41,7%. E isso é quatro meses depois que o mercado se recuperou dos mínimos do final de março.

Essas são indústrias altamente visíveis, com empresas bem cobertas pela mídia com nomes conhecidos por muitos consumidores. Os varejistas estão em todos os lugares que vamos. Postos de gasolina, cadeias de restaurantes e hotéis são onipresentes nas cidades e subúrbios de todo o país.

Portanto, embora os setores de alta visibilidade possam ter um significado considerável para a economia, eles não são muito significativos para os índices do mercado de ações ponderados pela capitalização.

Considere quão pouco esses setores afetados mencionados acima afetam os índices. As lojas de departamento podem ter caído 62,3%, mas, com base no valor de mercado, são apenas 0,01% do S&P 500. As companhias aéreas são maiores, mas não muito: pesam 0,18% do índice. A história é a mesma para serviços de viagens, REITs de hotéis e motéis, resorts e cassinos.

O mercado está nos dizendo que esses setores não importam muito para o desempenho do mercado de ações. E os setores que importam? Considere apenas quatro grupos do setor - conteúdo da Internet, infraestrutura de software, produtos eletrônicos de consumo e varejistas da Internet - responsáveis ​​por mais de US $ 8 trilhões em valor de mercado, ou quase um quarto do valor total da bolsa de valores dos EUA, de US $ 35 trilhões. Pegue as 10 maiores empresas de tecnologia do S&P 500 e as pondere igualmente, e elas aumentariam mais de 37% no ano. Faça o mesmo para os próximos 490 nomes no índice e eles caíram cerca de 7,7%. Isso mostra o quanto alguns gigantes são importantes para o índice.

Em algum nível, é completamente compreensível o motivo pelo qual muitas pessoas acreditam que os mercados não estão mais ligados à realidade, porque o desempenho não corresponde à sua experiência pessoal, que é de perda de emprego, dificuldades econômicas e desespero pessoal. Mas o importante é entender que os índices baseados na ponderação do valor de mercado podem ser - como são agora - impulsionados pelos ganhos de apenas algumas empresas.

Podemos discutir se a maneira como o mercado reage é bom ou ruim e nunca chegar a uma conclusão satisfatória. Mas uma coisa de que o mercado não é irracional ou desconectado é a realidade da capitalização de mercado e seu impacto nos índices de ações.

O leitor poderá se questionar se as ponderações existentes no mercado não são exageradas, ou em outras palavras, se o valuation (P/L) dessas empresas está excessivo. É uma questão relevante, mas será que não estamos presenciando o que o economista austríaco denominou de Destruição Criativa? Quando a Amazon ganha mercado das lojas de departamento e varejo em geral, porque é mais eficiente e barato comprar lá, quando a Google e Facebook oferecem as indústrias (ou empresa de serviços) uma forma de promover seus produtos de maneira mais eficiente e barata, e a Netflix por uma fração de valor permite assistir os filmes e series no conforto da sua casa e na hora que lhe convém. Todos esses casos não se encaixam nesse conceito?

É verdade que a Covid-19 acelerou esse movimento, bem como, levou uma serie de outras empresas para a destruição sem que houvesse razão para tanto. Quando vejo metade dos restaurantes fechando, empresas de aviação as moscas e tantos outros serviços encerrando, é triste. Mas essas empresas estão afetadas por esse problema específico, e assim que surgir uma vacina, deverão retornar à normalidade. É verdade que, as empresas beneficiadas acima, pegaram uma carona nessa situação.

Voltando especificamente a bolsa americana, não se pode esquecer que essas empresas por terem muitos negócios no exterior, e como a Covid-19 é um problema mundial, alavancaram ainda mais.

O Mosca comentou em vários posts no passado, sobre essa revolução que ocorre, da qual apelidamos de digital. O processo caminhou de forma rápida e acelerou recentemente. As empresas que se desatacam nessa nova era, não tem pontos físicos, ou tantos empregados por dólar de faturamento, ao contrário das empresas que estão sendo substituídas. É isso que as bolsas estão nos dizendo, agora toda a questão social não está resolvida.

No post Embaixo do tapete, fiz os seguintes comentários sobre o SP500: ... “Para que possamos ter maiores evidências que o objetivo traçado entre 2.900/2.850 está a caminho, é necessário que o índice caia abaixo de 3.120” ...


Mas ao invés de cair, o índice da bolsa subiu colocando em questão a linha “Maginot”. Mas pode ser um false break e precisamos uma confirmação que essa linha foi ultrapassada. Fiquei trabalhando na hipótese de continuidade da alta sem que haja uma correção, o que poderíamos esperar? Haveria uma alteração nas premissas adotadas até agora, e que teriam impacto nos objetivos de longo prazo. Mas não vou especular sobre esses novos números enquanto não ficar claro essa nova possibilidade.



Foi um trabalho intenso para chegar nessa nova configuração, o objetivo de curto prazo seria ao redor de 3.500. Mas existe uma ressalva, não poderia passar 3.511, antes que uma correção se iniciasse. Ocorreria uma violação na teoria de Elliot Wave.

- David, e se passar, você volta ao software antigo? Hahaha ...

Não voltaria, pois este aplicativo fornece mais informações e verificações sobre as diversas possibilidades. Voltando a sua pergunta, eu teria que ajustar as novas evidencias que devem surgir nesse caso. Tenho ressaltado que em análise técnica trabalha-se com probabilidades, e o analista ajusta de acordo com seu conhecimento. É um processo construtivo com mudanças no meio do caminho.

 

O SP500 fechou a 3.327, com alta de 0,64%; o USDBRL a R$ 5,2950, com alta de 0,12%; o EURUSD a 1,1856, com alta de 0,48%; e o ouro a U$ 2.037, com alta de 0,97%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário