2020: O risco vai compensar?

3 de agosto de 2020

Esse será o novo normal?


Nesse tempo de pandemia fomos orientados a ficar em nossas casas para evitar o pior. Passados 4 meses, os negócios começam a se normalizar aqui no mundo. Porém, se observa que várias empresas aprovaram que suas tarefas, poderiam ser feitas a distância de uma forma mais definitiva. Sendo assim, pretendem implantar essa política de forma mais definitiva.

As empresas de tecnologia - onde o trabalho é feito quase todo digitalmente - sinalizaram que o setor está enfatizando os escritórios sofisticados e ficando remoto. Metade dos 45.000 funcionários do Facebook poderá trabalhar remotamente nos próximos cinco a 10 anos, segundo o CEO Mark Zuckerberg. O trabalho remoto pode durar para sempre para muitos no Twitter. Square, Shopify, Box, Slack, uma vez que, estão todos planejando políticas permanentes de trabalho em casa. Se esse movimento ganha velocidade, o hábito de uma pandemia pode transformar radicalmente a geografia do trabalho tecnológico.

No entanto, existem obstáculos significativos no caminho para a independência no local de trabalho, incluindo a falta de acesso à banda larga, espaços de trabalho remotos e serviços públicos online essenciais. Os exemplos de destaque de cidades e países que são realmente construídos para trabalho disperso, são mais difíceis de encontrar do que se imagina.

Há muitos pontos positivos no trabalho remoto: esqueça a comida por quilo, ou os sandwiches junk food. Os técnicos poderiam se espalhar por todo o país e se mudar para onde quer que o custo de vida seja menor; os nômades digitais podem se dispersar em todo o mundo e os países - como a Estônia e Barbados já estão fazendo - poderiam competir para atraí-los. A contratação pode se tornar mais inclusiva: talentos historicamente excluídos, de comunidades centrais, poderiam ser contratados sem ter que estar no Vale do Silício, Boston ou Nova York.

Tais mudanças podem trazer maiores benefícios sociais. A dispersão dos profissionais de tecnologia aliviaria as pressões nos principais centros de tecnologia, onde a concentração de trabalhadores altamente qualificados foi responsabilizada por problemas como aluguéis altos, falta de moradia e congestionamento. Com cada trabalho no setor de tecnologia produzindo mais de cinco empregos adicionais, uma força de trabalho de tecnologia dispersa contribuiria para um compartilhamento mais inclusivo dos benefícios econômicos.

O trabalho remoto também pode trazer benefícios para as organizações. Um estudo de 2013 da Stanford constatou que, trabalhadores remotos experimentavam maior desempenho e maior satisfação no trabalho, levando a menor desgaste. Um estudo de Harvard-Illinois constatou que a maioria das grandes empresas e 29% das pequenas empresas não tiveram perda de produtividade ao passar remotamente à pandemia. De acordo com a pesquisa do Founders Forum da rede de inicialização do Reino Unido, 86,4% dos fundadores disseram que planejam instituir políticas permanentes de trabalho em casa.

Muitos no setor imobiliário e no planejamento urbano estão questionando a viabilidade futura das cidades "superstar" e prevendo a necessidade de reinvenção. A indústria de tecnologia alimentou essas concentrações de superestrelas. Embora a conectividade digital visasse levar à “morte da distância”, ocorreu um agrupamento sem precedentes, com 75% do financiamento de capital de risco, principalmente para empresas de tecnologia, concentrados em apenas três estados: Nova York, Califórnia e Massachusetts. A lógica do clustering é que as cidades são pontos críticos criativos que contribuem para a melhoria da produtividade entre os principais inovadores. E essa lógica continuou a se reforçar, atraindo ainda mais trabalhadores para os agrupamentos.

A pandemia do Covid-19 interromperá esse ciclo? Isso prejudicará os hábitos de trabalho e de vida em um setor conhecido por interferir nos outros?

Embora esse redesenho radical da geografia do trabalho técnico seja potencialmente libertador, empolgante e inclusivo, existem muitas barreiras, incluindo lacunas na prontidão digital que favorecem fortemente o status quo. O que pode ser surpreendente - realmente chocante - é a compreensão conflitante da profundidade do problema. De acordo com a Comissão Federal de Comunicações, 21 milhões de americanos não tinham Internet de banda larga em 2017, enquanto uma análise da Microsoft coloca esse número era 162 milhões em 2019.

O que está claro é que a América rural está mal conectada. Apenas 19% dos americanos rurais têm uma alternativa ao seu atual provedor de banda larga, com opções praticamente inexistentes em velocidades mais altas.

As diferenças aumentam à medida que se viaja pelo mundo. Notavelmente, poucos países se destacam como centros e destinos de trabalho digital global viáveis; as exceções são Cingapura, Noruega, Estônia e Holanda. Cada um desses países excepcionais, é pequeno, e é representativo de uma variedade de áreas metropolitanas em todo o mundo que poderiam ser centros para atrair trabalhadores remotos.

Primeiro, a economia deve se destacar em muitas dimensões essenciais. Cingapura, Estônia, Noruega e Holanda oferecem plataformas digitais robustas para trabalho remoto, comércio eletrônico e mídia, infraestrutura de Internet que é resistente a picos de demanda e amplo uso de pagamentos digitais.

Segundo os serviços públicos devem estar prontamente acessíveis on-line e o governo deve ter uma visão tecnológica. Cingapura, por exemplo, possui muitos serviços públicos habilitados para a tecnologia, com planos para quase todos os serviços governamentais estarem disponíveis online até 2023. A Estônia, portadora de padrões para o governo digital, já possui praticamente todos os serviços governamentais online. A coordenação de tecnologia do governo da Noruega, com ciência e inovação, é classificada como um dos pontos fortes do país.

Terceiro, o país deve investir em áreas além da disponibilidade digital. Considere a Holanda. Sua cultura democrática ajuda a garantir que "os gerentes confiem mais em seus trabalhadores". Os espaços públicos, como bibliotecas, espaços de trabalho compartilhados e cafeterias fáceis de trabalhar, facilitam o trabalho remoto.

As condições para um trabalho verdadeiramente dispersante são muitas e difíceis de encontrar; a mudança será lenta. Além da pandemia, alguns hábitos remotos de trabalho permanecerão, mas não espere que essas cidades superstarem percam seu apelo. O trabalho remoto ainda não é para sempre.

Todos os estudos feitos nessa área consideram apenas as condições de execução, tanto do ponto de vista dos trabalhadores, bem como das empresas, mas muito poucos levam em conta o que seria a vida de forma ampla dentro de casa. Nem na época das cavernas o isolamento era tão grande, pois o homem saia pelos menos para caçar. Não vi até agora, nenhum estudo que levasse em consideração o que seria da vida de uma pessoa que ficasse em casa a maior parte do seu tempo, pelo menos durante a semana.

Não sou psicólogo, mas garanto que esse isolamento não é saudável do ponto de vista emocional. Tenho visto que, mesmo os jovens na busca de um companheiro, usam aplicativos, onde um bom Photoshop garante a demanda de invites. Além do mais, o número de pessoas que vivem só, aumenta de forma consistente nos últimos anos, e hoje já representa mais da metade da população americana. Essa tendência tende a aumentar o isolamento, bem como, criar uma certa inercia. Resumindo, qual seria o objetivo da vida? Esse será o novo normal?

No post jogo-perigoso.html fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ... “Meu receio era que um mini movimento de alta levasse o dólar até R$ 5,70 para depois cair – destacado em amarelo no gráfico abaixo. Mas, enquanto uma possível alta não levar o dólar ao redor de R$ 5,35, o caso base indicado em vermelho abaixo continua válido, tendo como objetivo R$ 4,80/R$ 4,70” ...

Com o movimento de hoje, o dólar entrou numa região que denominei de “indecisão”. Enquanto estiver contido entre R$ 5,18 e R$ 5,50, nada poderemos dizer sobre seu movimento seguinte. Se romper um dos estremos: na parte superior aumentam as chances de R$ 5,70, como comentado acima; e abaixo de R$ 5,18 o target entre R$ 4,80/R$ 4,70 fica na mira.


A volatilidade de nossa moeda tem deixado os traders e economistas sem explicações. Até o momento não encontrei nenhum argumento convincente, mas alguma coisa mudou bastante, do que ocorria anteriormente. Nem em 2015, quando havia vários motivos para um aumento de volatilidade, que acabou acontecendo até o impeachment da Dilma, em seguida a oscilação voltou a patamares normais.

Em relação a Balança de Pagamentos houve uma melhora significativa nos últimos meses. Como se pode verificar no gráfico a seguir, a balança comercial foi a grande responsável pela reversão, mas não somente, a conta de serviços tornou-se o fluxo positivo mais expressivo.


O SP500 fechou a 3.294, com alta de 0,72%; O USDBRL a R$ 5,3125, com alta de 1,69%; o EURUSD a € 1,1767, sem variação; e o ouro a U$ 1.794, sem variação.

Fique ligado!

4 comentários:

  1. excelente reflexão! Obrigado pelos textos diários.

    ResponderExcluir
  2. Acredito que o Banco Central fez um movimento errado ao baixar demais a selic. Eu estou pensando em transferir parte do meu patrimônio ao exterior. Acredito que isso está sendo pensado em escala pelos investidores brasileiros mais antigos. Me chamou bastante atenção o movimento recente do banco central com relação ao novos limites de transferência e de informação de custodia no exterior. Além disso, os investidores estrangeiros estão saindo em massa do Brasil. Sinceramente, nem na época do impeachment eu senti profundo desgosto com a política e com as condições econômicas atuais. Farei a transferência aos poucos. Pode parecer que pior que está não fica, mas com o cambio atual e o desequilíbrio fiscal podemos nos tornar uma argentina em breve. Com o populismo atual na política, penso que é questão de tempo até começarem a queimar as reservas internacionais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A cada nível de taxa de juros se deve questionar o que se denomina de Asset Allocation, e a queda de juros indica que a parcela em outras moedas deve aumentar.Mas leve em consideração que os juros internacionais praticamente inexistem, estude se não vai trocar seis por meia duzia.

      Excluir