Inflação: A Revanche

24 de maio de 2016

A emoção dos resultados


Um livro recentemente lançado, what_I_learned_losing_one_million_dollars, conta a história de Jim Paul, um ex-trader de futuros da Chicago Mercantile Exchange, que fez uma quantidade considerável de dinheiro quando era jovem, mas perdeu tudo depois de apostas erradas e más escolhas.

Este é um assunto que todo investidor tem uma história para contar, ou esconder! Quem já não perdeu? Eu sempre digo que, o que diferencia as pessoas inteligentes é que elas aprendem com os erros. O post de hoje contém alguns pontos extraídos desse livro.

Por que as pessoas tomam decisões erradas:

...”As pessoas perdem dinheiro nos mercados, quer por causa de erros na sua análise ou por causa de fatores psicológicos que impedem a aplicação da análise”...

A experiência pode ser superestimada?

...”A experiência é o pior professor. Ele dá o teste antes de dar a lição”...

No viés de auto atribuição:

...”Personalizar sucessos expõe as pessoas ao fracasso desastroso. Eles começam a tratar o sucesso como uma reflexão pessoal e não o resultado de identificar uma boa oportunidade, estar no lugar certo na hora certa ou mesmo sendo simplesmente sorte ”...

No viés de confirmação:

...”Não há nada pior do que duas pessoas que têm a mesma posição falar uns com os outros sobre a posição ”...

Na corrida para ganhar dinheiro:

...”Na certeza de "estar certo" no mercado e ganhando todo esse dinheiro é inacreditável. Você está totalmente invencível. Você é imune a todas as dores. Não há nada de ruim no mundo”...

Na emoção da vitória e na agonia da derrota:

...“Quando eu estava ganhando dinheiro, não podia esperar para o mercado abrir. Quando eu estava perdendo dinheiro, não poderia esperar por ele para fechar”...

Em ancoragem:

...”O tempo é muito doloroso quando você está perdendo dinheiro. Tudo que eu queria era que o mercado voltasse para os níveis anteriores, e eu saísse da posição sem prejuízo”...

No processo contra os resultados:

...”As decisões podem ser boas ou ruins, mas não certas ou erradas”...

A gestão de dinheiro é com o risco, não o retorno:

...”Tudo o que você pode realmente determinar é a quantidade de sua exposição contra à probabilidade de que o mercado vai ou não para um determinado preço. Portanto, o que você pode fazer é gerenciar a sua exposição e perdas, não prever lucros”...

Sobre a necessidade de estar certo:

...”Você está operando para o reconhecimento, congratulando-se por prever cada movimento do mercado, ou você está para ganhar dinheiro? ”...

Siga com o seu plano:

...” Qualquer desvio do seu plano desencadeia o potencial de perdas devido a fatores psicológicos. ”...

É praticamente impossível não ter passado por várias situações mencionadas por esse trader. Eu enfatizei a que considero a mais perigosa, quando o importante não é o bolso, mas o ego. As chances de perder dinheiro depois de um acerto são grandes.

Outra situação que eu odeio, é quando executo um trade que em seguida vem a seu favor, e aí você recebe parabéns por quem executou a operação. Eu sempre repito:  “Parabéns somente quando a operação estiver liquidada”. Não quero ficar me vangloriando do acerto temporário e perder o foco da operação original que poderá virar um prejuízo.

Tudo isso requer uma disciplina germânica, pois somos seres humanos. Quem não gosta de um elogio? Siga o lema do Mosca: O compromisso é com o bolso!

No post alguém-ouviu-china, tinha uma expectativa que o ouro retornasse a subir: ...” Depois de romper e atingir a máxima de US$ 1.303, o metal penetrou novamente abaixo da linha verde atingindo a mínima de US$ 1.257... ... “A partir de agora, espero que o movimento de alta ganhe força, meu objetivo é US$ 1.360. Vou subir o stoploss para US$ 1.255”...


 
Mas não foi o que acabou acontecendo, no dia 19/05 fomos estopados e depois disso o ouro continuou caindo. O texto acima se encaixa nesta situação do metal. Se vocês se recordarem, eu tentei comprar o ouro entre março e abril, caso caísse para um nível que eu considerava interessante – US$ 1.190, mas não chegou a atingir esse ponto. Em seguida, resolvi colocar um trade caso rompesse o nível de US$ 1.280 o que acabou acontecendo.

Porém, foi por pouco tempo que permaneceu acima desse nível, apenas alguns dias. Esse movimento deu uma informação não tão positiva, o ouro estava sem força para romper. Ajustei meu stoploss para um nível acima do original – de US$ 1.240 para US$ 1.255.

Se não estivesse colocado um stop mais “justo” estaríamos agora querendo justificar o porquê dessa retração e provavelmente ajustaria o stop a US$ 1.190, o que poderia acarrtear uma perda potencial de 7,5% (US$ 1.280 para US$ 1.190).



Como apontei no gráfico, se o ouro realmente vai subir o intervalo entre US$ 1.180 – US$ 1.200, deverá limitar essa queda. E comparando-se com a situação hipotética que levantei acima, ao invés de sermos stopados naquele nível, talvez faremos uma última tentativa.


Se o importante fosse minha opinião de que o ouro iria subir e não meu bolso, estaríamos numa situação ruim. Veja que vários dos pontos levantados pelo livro se encaixam como alertas. Acho que aprendi essa lição!

O SP500 fechou a 2.076, com alta de 1,37%; o USDBRL a R$ 3,5752, sem alteração; o EURUSD a 1,1141, com queda de 0,69%; e o ouro a US$ 1.226, com queda de 1,78%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário