Inflação: A Revanche

25 de maio de 2016

Cabra macho!


Michel Temer resolveu bater o $%# na mesa, dizendo que está acostumado a lidar com bandidos e que sabe sim comandar o país. Sua primeira vitória aconteceu ontem ao aprovar as medidas necessárias, mas não suficientes, para um longo processo de controle das contas públicas.

Ontem foram publicadas nossas contas cambias, e como vem acontecendo nesses últimos meses, mostram melhoras significativas, das quais destaco os principais pontos. O gráfico a seguir mostra o expressivo ajuste realizado nas contas externas, cujo déficit acumulado em 12 meses encolheu de US$ 41,4 bilhões para US$ 34,1 bilhões, representando 1,97% do PIB.




A entrada de investimentos diretos encontra-se estabilizada ao redor de US$ 80 bilhões (4,6% do PIB), o que demostra o apetite dos estrangeiros pelo país, mesmo em situação política extremamente adversa. Qual não poderá ser essa cifra dentro de alguns meses, quando serão oferecidos vários projetos de infraestrutura.

A redução do déficit se deu nas três grandes contas, as quais sejam: balança comercial – com um superávit no mês de U$ 4,7 bilhões e projeção de US$ 55 bilhões, passando a ser o principal item de entrada depois dos investimentos diretos; conta de serviços – redução no déficit mensal para US$ 2,5 bilhões e US$ 32 bilhões em 12 meses, com forte redução nas despesas dos brasileiros com viagens ao exterior; e conta de rendas, com déficit de US$ 1,9 bilhão e US$ 32 bilhões em bases anuais.

O financiamento deste déficit através da conta financeira, através das captações líquidas, praticamente equilibraram as saídas. Além do investimento direto destacado acima, os investimentos em carteira somaram US$ 0,7 bilhão, quem vêm declinando no último ano, por conta da queda nos investimentos em títulos de renda fixa. A razão principal deste declínio é reflexo da redução dos fluxos globais aos países emergentes, e o rebaixamento da nota brasileira pelas agências de rating internacionais.




As reservas internacionais permaneceram ao redor de US$ 376 bilhões, e o hiato financeiro, diferença entre o déficit em transações correntes (excluindo os recursos reinvestidos no país) e a entrada líquida da conta financeira, apresentou entrada líquida de US$ 6,8 bilhões no mês.

Dificilmente poderia ser melhor, ainda mais considerando que o banco central reduziu sensivelmente sua exposição através dos swaps cambias. Como venho colocando ultimamente, a cotação do dólar tenderá ficar sujeita mais a evolução do ‘dólar – dólar’ no exterior e a politica monetária “sob nova direção”.

Enquanto por aqui, fica uma discussão se o governo tem poucas mulheres, ou como a eliminação do Ministério da Cultura é algo gravíssimo, vejam o que está acontecendo na China. No último mês o governo Chinês aprovou seu planejamento para os próximos 5 anos. Seu principal objetivo é ultrapassar a Alemanha, Japão e os Estados Unidos em termos de sofisticação da produção no ano de 2049, que coincide com o aniversário de fundação da República Popular da China.

Para que isso aconteça, o governo precisa que as empresas chinesas adotem robôs aos milhões. O governo está disponibilizando bilhões de yuans a essas empresas, a fim de aprimorar a tecnologia incluindo máquinas sofisticadas e robôs. Dessa política já surgiu alguns efeitos, por exemplo, a Foxconn, grande produtora de componentes da Apple, reduziu seu número de funcionários de 110.000 para 50.000.

Num esforço de minimizar manifestações sociais decorrentes dessas mudanças, o país está separando $ 23 bilhões de Yuans para cobrir essas dispensas que vêm ocorrendo.

Vocês podem notar a diferença de atitude daquele governo, que ao invés de buscar incentivar o emprego em áreas cuja utilização de humanos é obsoleta, procuram auxiliar esses desempregados. Insistir em políticas fadadas ao fracasso, ou que dependerão de subsídios para sobreviver, é colocar o país na contramão!

No post hoje-e-agora, fiz os seguintes comentários sobre o Bovespa: ...” indicam que uma correção deve acontecer em breve. Um grande candidato para iniciar essa correção seria ao redor de 56.000. Caso aconteça, antevejo que essa correção poderá durar algumas semanas e atingir um nível entre 47.000 – 49.000, uma queda acima de 10%”... Essa correção acabou acontecendo e acredito que uma oportunidade de compra surgirá em breve.




O nível de compra é 48.000 com stoploss a 46.000. É uma tentativa no caminho de uma alta. Quero reforçar o que coloquei no post acima:...”para que possamos afirmar que o mínimo deste ciclo ocorreu em janeiro último a 37.000, e necessário que a bolsa ultrapasse os 57.000, conforme apontado no gráfico abaixo. Do ponto de vista técnico existe uma boa chance para que isso tenha ocorrido”...




Vejam que está grifado boa chance. É necessário o rompimento dos 57.000, que poderá ocorrer se minha sugestão esteja correta. Caso contrário, com a bolsa tendendo a cair, um nível de alerta acontece à 43.000, abaixo disso, poderemos ter problemas!

Mesmo sendo feriado amanhã, haverá uma publicação comemorativa, aguardem!

O SP500 fechou a 2.090, com alta de 0,70%; o USDBRL a R$ 3,5909, com alta de 0,58%; o EURUSD a 1,1150, sem variação; e o ouro a US$ 1.223, com baixa de 0,22%.
Fique ligado!


Nenhum comentário:

Postar um comentário