2020: O risco vai compensar?

22 de julho de 2019

A única opção


Todos já passamos por surto de viroses cujo tratamento requer mais um esforço do corpo humano que a ingestão de remédios, mas as vezes nos é receitado antibióticos, que deveriam ser usados somente em infecções bacterianas. Como consequência, o corpo vai se tornando resistente e o antibiótico passa a diminuir seu efeito.

A situação econômica que vivemos, desde a grande recessão de 2009, se parece a uma virose. Os bancos centrais adotaram a injeção maciça de moeda como também a adoção de juros negativos. Mas os resultados ainda deixam a desejar, pois depois de algum tempo, novas doses são necessárias.

Um artigo publicado pelo WSJ, destaca que, um momento como esse de novas medidas, parece se aproximar. Os bancos centrais ao redor do mundo estão prontos para lançar alguns dos estímulos monetários mais agressivos desde a crise financeira de uma década atrás.

Mas as circunstâncias são diferentes agora, com políticas voltadas mais para dar vida a expansões de décadas, em vez de evitar um colapso econômico. E não está claro se as ferramentas esgotadas dos banqueiros centrais serão adequadas.

"Nós vemos a economia como estando em um bom lugar e estamos comprometidos em usar nossas ferramentas para mantê-la lá", disse Jerome Powell ao Congresso em 10 de julho, indicando que o banco central dos EUA está pronto para cortar as taxas de juros no final deste mês.

O Banco Central Europeu também enviou um claro sinal de afrouxamento nas atas de sua reunião de junho, segundo a qual havia um amplo acordo entre os diretores de que, "precisavam estar prontos e preparados" para reduzir as taxas e retomar as compras de ativos, para fornecer mais estímulo.


Alguns bancos centrais na região da Ásia-Pacífico já reduziram as taxas neste ano, incluindo a Austrália - que cortou as taxas duas vezes para 1% - Nova Zelândia, Índia, Malásia e Filipinas. Os bancos centrais da Coréia e da Indonésia reduziram as taxas na semana passada, assim como a África do Sul.


"A incerteza gerada pelas disputas comerciais e tecnológicas está afetando o investimento e significa que os riscos para a economia global estão inclinados para baixo", disse Philip Lowe, o presidente do banco central da Austrália.

Powell e outros diretores do Fed notaram que a expansão que dura uma década nos EUA permanece sólida, mas enfrenta riscos de desaceleração do crescimento global e incerteza na política comercial. As atas de sua reunião de junho apontaram sinais de arrefecimento econômico, incluindo embarques fracos e pedidos de novos bens de capital, previsões de crescimento de lucros mais baixas de analistas do setor privado, quedas na atividade manufatureira e vendas menores de exportação dos EUA. Um corte de taxa seria uma tentativa de evitar que a perspectiva piorasse.

Mas há riscos para essa estratégia. Com taxas de juros já baixas nos EUA e abaixo de zero no Japão e em grande parte da Europa, um estímulo novo poderia gerar bolhas desestabilizadoras em moradias e outros ativos. As taxas negativas prejudicaram os bancos na Europa, forçando-os a pagar aos bancos centrais para armazenar seus fundos excedentes. E se as recessões acontecerem, os bancos centrais ficariam com menos munição para sustentar suas economias.


Também não está claro quanto mais estímulo pode ser extraído dessas políticas. O presidente do Fed de Dallas, Robert Kaplan, disse em uma entrevista na semana passada que, para todas as preocupações que as empresas estão levantando sobre o ambiente político, "o custo e a disponibilidade de capital não são um deles".

E os bancos centrais têm pouca influência sobre as incertezas oriundas da partida planejada do Reino Unido da União Europeia e da disputa comercial EUA-China.

"Embora os bancos centrais estejam certamente preocupados com as guerras comerciais, o duro Brexit, etc., o que realmente os preocupa é a falta de poder de fogo", disse Kenneth Rogoff, professor de economia da Universidade de Harvard. "Há um forte viés de flexibilização, uma vez que a última coisa que qualquer banco central quer fazer é criar uma recessão que eles podem não ter as ferramentas para lidar adequadamente."

Por enquanto, as taxas de ajuste fino podem ser suficientes. A economia global está desacelerando, mas não parece estar perto de uma recessão ou crise desestabilizadora, e o desemprego é bastante baixo na maioria das economias desenvolvidas. A inflação enfraqueceu abaixo da meta de 2% que a maioria dos grandes bancos centrais considera ótima, mas o perigo de declínios diretos de preços, conhecido como deflação, parece remoto.
As autoridades do Fed sinalizaram que estão prontas para reduzir sua taxa de juros este mês em um quarto de ponto percentual em relação ao seu intervalo atual entre 2,25% e 2,5%, ao mesmo tempo em que indica o potencial para reduções adicionais. Seria o primeiro corte de taxa do Fed desde 2008.

Os analistas esperam que o BCE reduza sua taxa de juros já negativa em sua reunião de setembro, e eles não descartam um corte antes disso, à luz dos dados que indicam que a economia da Alemanha, a maior da zona do euro, possivelmente contraiu no segundo trimestre. Também poderia reiniciar as compras de títulos depois de terminá-las em dezembro passado.

"Os bancos centrais estão fazendo o melhor que podem para lidar com as consequências que sofreram", disse Claudio Borio, economista-chefe do BIS. “O espaço para mais ações ainda está lá. Não foi exaurido por qualquer meio, mas é claro que quanto mais você prosseguir ao longo deste caminho, mais estreito será o caminho ”, disse ele.

A virose econômica continua a drenar as energias de crescimento do mundo. Com a aproximação de um novo surto, os bancos centrais estão prontos a receitar os mesmos antibióticos que vem usando nesses últimos anos. Será que vai funcionar agora, ou é simplesmente mais um paliativo? Parece ser a única opção.

No post quando-pouco-é-muito, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ... “ exponho as duas possibilidades que essa correção em curso pode ocasionar. No gráfico a seguir, se encontram essas hipóteses” ...


Nesta semana pouca evolução ocorreu, os níveis se mantem dentro dos parâmetros que não definem qual hipótese que vai adotar dentro das que sugeri: na opção do triângulo, é necessário o rompimento de R$ 3,80; no caso da continuidade, será possível abaixo de R$ 3,72. Entre essas cotações é terra de ninguém.


Uma combinação das férias no Hemisfério Norte com uma percepção do mercado que o Presidente Bolsonaro pode falar e fazer suas atrapalhadas que em nada atrapalha os mercados, fizeram com que a oscilação da moeda americana contra o real esteja em seus níveis mais baixos. Talvez, no curto prazo, o único evento que poderia modificar esse marasmo, seria a decisão sobre os juros na próxima semana pelo Fed. Até lá, nem os Twitters do Trump, metendo o pau no Fed por não baixar os juros, estão causando algum impacto.

O SP500 fechou a 2.985, com alta de 0,28%; o USDBRL a R$ 3,7378, com queda de 0,27%; o EURUSD a 1,1210, com queda de 0,12%; e o ouro a U$ 1.424, sem variação.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário