Inflação: A Revanche

30 de agosto de 2016

Estava à toa na vida


Vou fazer um breve comentário sobre a cansativa e tediosa aparição da atual Presidente Dilma Rossueff. Consegui assistir apenas alguns trechos, afinal ninguém merece tortura maior. Um conteúdo recheado de asneiras, mentiras e muita arrogância. Por outro lado, pode-se perceber como é boa a vida sem ela, seu chefe mor, e asseclas do PT.

O único objetivo desse grupo, que faria Al Capone se sentir um principiante, foi o de assaltar os cofres públicos, usando várias empresas que só não quebraram por serem públicas. Em finanças se qualifica uma situação muito positiva quando permite ganhos sob vários ângulos, o que se denomina de “win-win situation”. Pois bem, esse é um caso corolário “lose-lose situation”, onde o objetivo primordial era o benefício próprio. Do ponto de vista da empresa, ela que se dane!

Na galeria de convidados encontrava-se Chico Buarque que se prestou a garoto propaganda da acusada. Esse compositor e cantor com qualidades inquestionáveis nessa área, mostrou que como brasileiro é um desastre. Imagino que por outro lado conseguiu realizar um sonho depois de 50 anos, ao colocar em prática a letra de sua música "ficar à toa na vida", era isso que fazia ontem nas tribunas do Senado.

Mas tudo está para terminar, espero que teremos só mais 24 horas para não ver a cara desse grupo. Assim, o dia de ontem não vai passar de uma lembrança do passado, como um pesadelo. Os jornais noticiaram que Dilma entrará com um recurso no STF. Consigo até entender seu objetivo, que aparentemente seria o de recorrer a decisão do Senado, mais em meu entender não é. Não precisa ser um graduado em psicologia para identificar que seu objetivo é continuar brigando, afinal caso termine, o que ela teria para fazer? Entraria em profunda depressão.

Como a charge hoje espelha, não ficaria surpreso se vários senadores não estavessem a busca de Pokémon GO no plenário, talvez o próprio Chico Buarque? Hahaha ...

Depois do aviso dado por Yellen, o mercado ficará concentrado nos dados a serem divulgados, cujo é o de identificar se o FED aumentará os juros em setembro, ou mais adiante. Incialmente a previsão de PIB apontada pelo FED de Atalanta, mostra uma projeção superior a dos economistas, o que é um fato incomum nos últimos meses.


Notem que os analistas estão alterando suas previsões para níveis superiores e já bem próximas de 3% a.a., no trimestre em curso. Um resultado que pode animar o FED a seguir em seu plano.

Nesta sexta-feira serão publicados os dados de emprego, e amanhã já teremos uma ideia através dos dados da ADP que, embora não seja perfeita, dá uma indicação. Os salários, conforme se pode observar no gráfico a seguir, mostram uma elevação mais abrangente, incluindo várias faixas de remuneração


O comentário técnico hoje será sobre o SP500, embora não tenha muito a acrescentar. Outro dia tive conhecimento de uma estatística impressionante, dos teóricos 60 dias úteis de férias do Hemisfério Norte, 34 dias tiveram oscilação diária menor que 1%. Não me recordo de momento semelhante, e olhe que já acompanho faz décadas!

No post conservador-x-arrojado, fiz os seguintes comentários: ...”os targets estão anotados no gráfico abaixo, vamos nos atentar ao primeiro ao redor de 2.220” ... ...”já fizemos uma atualização do stoploss para 2.140 e como se pode perceber o primeiro objetivo já está bem próximo. Mas nesse ritmo lento poderia demorar algumas semanas. Acredito que a volatilidade deverá atingir níveis mais razoáveis a partir de setembro, término das férias por lá” ...


No gráfico a seguir, com cotações diárias, dá para ter uma boa ideia do que comentei mais acima, praticamente não saiu do lugar depois do dia 10 de julho. Muitos analistas vêm insistentemente alertando para os perigos que rondam a bolsa americana, argumentos de que já subiu muito, ou que os múltiplos se encontram em níveis elevados. Até o momento não surtiram efeitos nos investidores, onde ainda um grupo seleto detém posições vendidas, como o caso noticiado de George Soros.

 

O que não se notícia, ou se noticia muito pouco, foi a entrada de novos participantes com um poder de fogo enorme e crescente, os bancos centrais.  Com recursos oriundos de intervenções maciças nos mercados locais, objetivando reanimar suas economias, acabam tendo que investir esses recursos. Por exemplo, o banco central suíço detém uma quantia nada desprezível de US$ 62 bilhões em ações, e assim como ele, outros também fizeram o mesmo. O objetivo desses participantes não tem os mesmos critérios de alocação que nós, visam se ver livres do caixa. Isso também é uma mudança que acaba afetando o mercado de ações, talvez sendo parcialmente responsável por essa inação. Mundo moderno! 

O SP500 fechou a 2.176, com queda de 0,20%; o USDBRL a R$ 3,2410, com alta de 0,28%; o EURUSD a 1,1141, com queda de 0,40%; e o ouro a US$ 1.310, com queda de 0,93%.
Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário