2018: Vestibular Político

11 de outubro de 2018

Efeito Uber?



O relatório de hoje do CPI, a previsão de consenso foi de mais um aumento de + 0,2%, para o índice de inflação, pelo 36º mês consecutivo.  O BLS relatou que o CPI seguiu o “decepcionante” PPI de ontem, e de fato ficou mais baixo do que o esperado em 0,1% (0,059% não arredondado) em bases mensais, e 2,3% em bases anuais. É uma queda acentuada em relação aos 2,7% registrados há um mês.

O núcleo CPI também arrefeceu para 0,1% (0,116% não arredondado) em bases mensais, abaixo do 0,2% esperado, e 2,2% em bases anuías.

O gráfico a seguir não deixa dúvida da estabilidade inflacionária, e essa conclusão não se refere ao curto prazo, e sim nos últimos 15 anos. Enquanto o índice “cheio” oscila com mais frequência, em virtude de itens voláteis como o combustível e o petróleo, o core permanece praticamente colado em 2% a.a.

A queda no índice “cheio”, foi principalmente resultado da queda nos preços do petróleo, já que o índice de energia recuou 0,5% em setembro, após alta em agosto. O índice de alimentos permaneceu inalterado em setembro.

Tenho observado nos últimos tempos, que frequentemente tem um vilão, e no mês de setembro, não foi exceção.  Olhando mais profundamente para o núcleo da inflação, o mesmo refletiu uma queda mensal de 3% nos preços de carros usados e caminhões, após aumentos em cada um dos últimos 3 meses, é a maior queda em 15 anos.


Uma análise superficial não permite grandes conclusões sobre esse item específico, porém é notório o crescimento de meios de transporte do tipo Uber. Eu aderi a onda, não tenho mais carro, posso dizer que é uma delica não ter que enfrentar o trânsito de São Paulo, além de custar muito mais barato. Só a blindagem de um carro, item necessário hoje em dia, encarece de 50% a 100% o preço original. Mas esse “investimento” é uma garantia de perda na hora da revenda. Só a título informativo, vendi meu carro com 10 anos de uso, impecável e com pouco uso (< 40 mil km.), por 15% do valor nominal pago, incluindo a blindagem. Bom negócio!

Queria fazer alguns comentários sobre o movimento do mercado de ontem, que se propagou hoje. Foi um banho de sangue em qualquer região do planeta. Mais foi isso mesmo, ou estamos acostumados com oscilações artificialmente baixas? Para responder a essa pergunta é necessário aguardar alguns dias, por enquanto o Mosca foi estopado ontem na posição do SP500 e pretende ficar quieto.

O mais incrível veio do Trump, que ao aterrissar seu avião em algum lugar dos EUA, recebeu a informação da queda forte da bolsa. Primeira frase: “O Fed ficou louco, ao continuar subindo os juros”, hoje já foi necessário vir a público esclarecendo que não vai fire Powell, palavra mais usada em sua vida; depois menosprezou a queda da bolsa afirmando ser apenas uma correção, aquela que todos estavam esperando; e por último, hoje pela manhã, anunciando que ele irá se encontrar com Xi Jinping, na reunião do G20, a se realizar na Argentina, no final de novembro (vai poder comer uma excelente carne baratinha! Hahahaha ...).


Em relação ao Fed, seria bom ele ver a história da Dilma e observar as consequências de um presidente meter o bedelho onde não entende. Sobre a bolsa, também fez uma colocação arriscada pois se a bolsa continuar caindo, o pessoal vai cair em cima dele, e sobre a China, duvido que os chineses têm alguma esperança de mudança na sua postura. Na verdade, o que Trump quer, é uma pausa até o resultado das eleições que acontecem em novembro.

Os analistas desenvolvem modelos com intuito de projetar a probabilidade de uma recessão acontecer, num determinado prazo. O gráfico a seguir nos deixaria tranquilos, foi essa a chamada desse analista. O motivo é que, segundo esse modelo, a probabilidade de uma recessão nos próximos 12 meses vem retorcendo. Legal! Agora, será que este analista não viu que a mesma probabilidade num período de 12 -24 meses está subindo? Espero que esteja errado, pois se houver recessão ele vai acertar, basta considerar uma outra data de início. Honestamente, não acredito nesse tipo de modelo.


E para terminar o post desta semana, por conta do feriado, fiquei abismado com o volume de tráfico pela internet, que a Netflix é responsável - 15%! Na figura a seguir, se pode ter uma ideia da penetração do downstream através desse veículo, ficando migalhas para a transmissão de e-mails, ou mesmo browsers. Parece que a onda de assistir filmes no celular, ao invés de ir ao cinema, veio para ficar.

No post pê-no-fundo, fiz os seguintes comentários sobre o Ibovespa: ... “ Nossa aposta agora está baseada na alternativa 1 traçada em verde, essa é a razão do stoploss ter sido colocado tão “justo”, pois não gostaria de ficar posicionado nos outros dois cenários” ...

...” Já no caso 2, se pode esperar um triângulo, que conteria as cotações entre 70 mil e 88 mil; e por último, o caso 3, uma correção mais extensa que levaria a bolsa aos 63 mil” ...

... “ Desta forma, os próximos dias são importantes para identificar em qual caso o Ibovespa se encaixa” ...


Vou fazer uma atualização dos movimentos de curto prazo, e também um quadro de longo prazo. Na primeira janela, depois de atingir a máxima de 87.3 mil, quando Bolsonaro liderou a votação de primeiro turno, o mercado internacional jogou agua nessa euforia. No próximo gráfico busco limitar até onde a alternativa 1 ainda pode perdurar.


As linhas demarcadas em marrom são o máximo que se poderia aguentar sem danificar o cenário de novas altas, algo entre 82,5 mil e 81,0 mil. Abaixo disso, se deve considerar a hipótese de novas quedas que dependem ser o caso 2 ou 3.

Com uma análise de longo prazo, o gráfico a seguir deixa muitas dúvidas se realmente a bolsa brasileira vai subir como os analistas esperam.


O símbolo em vermelho aponta uma barreira muito difícil a ser ultrapassada, esse ponto se localiza ao redor do tão falado 90 mil. Caso isso não aconteça, olhem para baixo e notem aonde poderia chegar, 40 mil?

Será isso possível? Do mesmo jeito que, quando estava a 38 mil no início de 2016 quando o Mosca alertou para uma grande oportunidade de compra, agora sou obrigado a alertar para uma eventual oportunidade de venda.

- David, o que é isso, está doido? Como pode dizer uma coisa dessas depois de sua preferência por esse ativo. Até está comprado!
Pois é, não gostaria de dar esse alerta. Estamos tão perto de tirar o PT da nossa frente. Mas análise técnica não tem preferência nem para um lado nem para o outro. A verdade é que, nesse caso, um ponto importante se aproxima, e é nesses lugares que todo cuidado é pouco.

Não quero alarmar ninguém, e nem por isso vou alterar nosso trade, mas fiquem na cabeça que 90 mil pontos, se chegar, vai ser osso duro de romper.

Vou aproveitar para ajustar o stoploss dos juros de 10 anos para 3,08%.


O SP500 fechou a 2.728, com queda de 2,06%; o USDBRL a R$ 3,7773, com alta de 0,60%; o EURUSD a 1,1592, com alta de 0,64%; e o ouro a U$ 1.222, com alta de 2,37%, Uallll .... Não é possível, o mercado leu o Mosca ontem! Hahahaha .... Por sinal, não faça nada nos níveis de U$ 1.235, prefiro observar nos próximos dias seu comportamento.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário