2020: O risco vai compensar?

31 de março de 2020

Mudanças prováveis



Conforme os dias passam aprendemos mais detalhes desse tsunami viral que nos afeta. Acredito que os pensamentos são divididos em dois grandes grupos: primeiro a disciplina diária sobre como se proteger, e segundo, como será o mundo depois que essa quarentena terminar.

Tenho pensando no segundo item e gostaria de compartilhar algumas ideias.

Eu fiz uma pequena pesquisa no meu Facebook para saber se as pessoas teriam algum tipo de trauma depois que isso acabasse. Não coletei uma resposta conclusiva. Porém, eu acredito que no mínimo, ficará uma marca por um bom tempo. Além do mais, alguns especialistas na área consideram que essa virose ficará indo e vindo, como parece já estar acontecendo na China, Coreia do Sul e Japão.

A coleta do índice de incerteza a seguir é feita pelo Fed de St. Louis. Notem que, além de bater todos os recordes está muito próximo de 1.000. Quem será que tem alguma certeza atualmente que faz o incide ficar abaixo do máximo! Hahaha ...


Supondo que vamos permanecer com essa dúvida até que uma vacina esteja disponível, e isso pode demorar de 12 a 18 meses segundo alguns artigos, quais os segmentos que continuaram a existir e quais estariam em risco.

Como comecei a pensar a pouco tempo, os mais lógicos no lado da existência na minha visão seriam: Alimentos – razão óbvia; Internet – entendam aqui tudo que se pode obter por esse canal; e logística – complemento do anterior. Dos ameaçados: tudo que envolve aglomeração – shows, eventos esportivos etc., Turismo e tudo que está a sua volta (aéreo, hotéis etc.).

Se meu raciocínio estiver correto, como não haverá substituição entre eles, provavelmente o PIB será menor que o anterior a esse evento. Isso não é bom para um mundo que já estava debilitado e cheio de dívidas.

Eu estou recebendo uma serie de gráficos que tem a mesma configuração gráfica, uma queda ou uma alta vertiginosa. Isso vale para qualquer ativo, indicador econômico ou sei lá! Essa informação neste momento é de pouca valia. Selecionei alguns dos publicados recentemente.


Mas de repente, surge um muito diferente, não que não houve uma queda, também aconteceu, porém, a recuperação em março foi da mesma magnitude que a qeda. É o PMI da indústria chinesa, não só que subiu, mas ficou acima de 50 mostrando expansão. Será possível????


No post porta-blindada-para-o-fed, fiz os seguintes comentários sobre o SP500: ... “ O nível entre 2.550 a 2.670, apresenta uma boa área para tentarmos um trade de venda do SP500, com um stoploss a 2.780” ...  Esse trade foi executado dias depois.

Acontece que vou zerar essa posição hoje no fechamento, pois acredito que a onda A abaixo mencionada foi completada, sendo assim, o SP500 deverá ter um período de alta que deve levar o índice para algo entre 2.800 a 2.950.

Desta forma, não comporta mais uma venda nos níveis que propus. Vou aguardar essa pequena alta terminar, em seguida vamos observar uma queda ate ~ 2.500. Nessa hora vou buscar uma trade de compra.

Para quem acompanha o Mosca a pouco tempo, pode achar que estou ficando louco. Num momento sugere vender, cancela e em seguida sugere comprar. Como alguém são pode mudar de opinião tão drasticamente? Para esse leitor reforço o lema do Mosca - O compromisso é com o bolso. Para manter essa linha uso a análise técnica, onde ao invés de teimar com uma opinião fixa, “escutamos” o que o mercado nos diz.

O SP500 fechou a 2.584, com queda de 1,60%; o USDBRL a R$ 5,2053, com alta de 0,23%; o EURUSD a 1,1024, com queda de 0,20%; e o ouro a U$ 1.575, com queda de 2,85%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário