2020: O risco vai compensar?

29 de junho de 2020

Mercado X Coronavírus



O Covid-19 não está só infectando pessoas ao redor do mundo, os mercados sofrem do mesmo mal. Nesse momento do surto, os países que adotaram maior flexibilidade a seus habitantes com regras de contenção mais brandas estão pagando um preço mais alto no processo de recuperação econômica. Despontam nesse quesito os EUA e Brasil, cujo casos crescem no primeiro, após terem se estabilizado; e no segundo nem começaram. Nesse quesito a Europa que sofreu muito na primeira fase está em melhores condições agora.

Vamos começar com um gráfico que aponta bem a diferença entre essas duas regiões: EUA e Europa. Como a Bloomberg Opinion descreve "o novo significante visual de arrogância americana, que cantou vitória antes do tempo, e agora está sendo obrigada substituir o estandarte da Missão Cumprida":

Em março, o presidente Donald Trump fez um grande esforço para impedir a entrada de pessoas da União Europeia nos EUA, com base no fraco histórico do bloco em lidar com o coronavírus. A proibição permanece em vigor. A partir do próximo mês, no que deve ocasionar grande escândalo nas capitais da Europa, provavelmente será o contrário.

Enquanto isso, o efeito do fracasso americano em parar o vírus começa a ser sentido na atividade econômica em tempo real. Este gráfico foi produzido pelo Deutsche Bank com o auxílio dos dados de mobilidade coletados pela Apple e pelo Google. A mobilidade dos europeus agora tende a estar muito mais próxima do normal do que os americanos:


Isso ainda pode ter impacto nos mercados? Certamente é possível. Os mercados de ações dos EUA superaram em muito as suas contrapartes na UE por mais de uma década. Dado o sucesso dos EUA em produzir as empresas que agora fornecem as plataformas dominantes para a Internet e sua capacidade de reforçar seu sistema bancário com muito mais eficácia do que a UE poderia fazer, isso não deveria surpreender. Nos últimos anos, qualquer breve incursão no desempenho relativo do FTSE-Eurofirst 300 em relação ao S&P 500 acima de sua média móvel de 200 dias foi recebida com uma nova dose de fraqueza para as ações europeias:



Para ser claro, não há ligação direta entre a pandemia e o desempenho das bolsas de valores, em termos relativos ou absolutos. Existem muitas outras variáveis em jogo (começando com o dinheiro sendo distribuído pelos bancos centrais).

Mas há sinais de que a ansiedade sobre a propagação do vírus pelo cinturão do solo americano está colocando as ações dos EUA sob pressão novamente. Se observarmos como as companhias aéreas, os hotéis e os cruzeiros - os setores mais obviamente afetados pelo vírus - tiveram desempenho em relação ao restante do mercado, podemos ver a preocupação de que a reabertura não está indo de acordo com o início planejado, após um pico inicial de entusiasmo há três semanas:


Também houve uma relutância ansiosa em relação ao mercado como um todo em responder à manifestação óbvia dos casos. Há justificativas para isso, pois o aumento de casos se deve em parte a testes mais amplos e a taxa de mortalidade é significativamente menor do que era. Mas, como mostra o gráfico a seguir produzido pela Capital Economics Ltd., a maneira como o mercado de ações dos EUA encarou os crescentes casos de Covid-19 nos EUA no último mês tem sido muito estranho:


Como a recente evolução irá afetar as eleições que se encontram bastante próximas ainda não é claro. Não é mais possível duvidar que existe um problema preocupante. Como a taxa de mortalidade está diminuindo e muitos dos casos agora relatados estão entre os jovens com menor probabilidade de serem severamente afetados, a boa notícia é que ainda é possível evitar uma repetição completa das cenas vistas anteriormente em Wuhan, Milão e Nova York.

No entanto, o fracasso da política e da liderança no Arizona, um estado outrora confiável que produziu os candidatos republicanos à presidência Barry Goldwater e John McCain, parece total. Abaixo encontra-se as previsões feitas pelo Predictit, medindo as chances das eleições presidenciais de novembro.


Que efeito isso deve ter nos mercados? Será negativo. Antes de assumir que as ações historicamente tiveram um desempenho melhor sob os presidentes democratas, o que é verdadeiro até agora. O que não está se considerando é o que acontece quando existe a troca de partido na presidência. A Strategas Research Partners, mostra o desempenho da SP 500 nos anos eleitorais quando o titular vence, comparado a quando eventualmente perde:


Parece que todos as evidências favorecem as ações europeias em comparação as americanas.  Esse é um argumento para que as ações europeias continuem com um desempenho raro em relação aos pares dos EUA. Tanto o Stoxx Europe 600 Index quanto o Euro Stoxx 50 Index superaram o benchmark S&P 500 desde meados de maio e estão a caminho de vencer Wall Street pelo primeiro mês inteiro desde setembro passado, ajudado em parte por uma rotação cíclica e de valor ações.


No post qual-o-futuro-do-dólar-dólar, fiz os seguintes comentários sobre o dólar: ... “ Das possibilidades que posso tratar para essa correção, considerando que ainda existe espaço para uma mini alta. Parece mais provável que a reversão aconteça entre R$ 5,53 e R$ 5,73. Mas por outro lado, não posso me ater de forma rígida, a esse intervalo, nem tampouco aventurar e sugerir uma venda sem que o risco x retorno seja vantajoso” ...

Agora parece ficar mais claro as possibilidades, considerando que existe mais uma rodada de queda do dólar: primeiro intervalo entre R$ 5,48/R$ 5,53 (próximo aos níveis atuais – indicado em amarelo), e a outra entre R$ 5,70/R$ 5,73 (indicado em azul).

Vou optar pelo segundo intervalo para colocar uma sugestão de venda de dólar a R$ 5,70 com um stoploss a R$ 5,85. Vamos manter um posicionamento em metade dos níveis habituais, tendo em vista a elevada volatilidade recente. O objetivo será melhor mais a frente, se essa opção se concretizar.

- David, e se o dólar continuar subindo?
Se formos executando no stoploss, vou ficar desconfiado que novas altas acima de R$ 6,00 irão acontecer. Mas esse não é meu cenário principal no momento. Se acontecer, e como você acompanha o Mosca de forma assídua por default, vai ficar sabendo! Hahaha ...

O SP500 fechou a 3.053, com alta de 1,47%; o USDBRL a R$ 5,4092, com queda de 1,38%; o EURUSD a 1,1237, com alta de 0,18%; e o ouro a U$ 1.771, sem alteração.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário