2020: O risco vai compensar?

3 de junho de 2020

Outra visão



Uma boa parcela dos investidores e analistas está surpreso com a performance das bolsas de valores. O motivo é que diversos indicadores econômicos apontam para resultados horríveis, e não acreditam que a volta ao normal será rápida. O Mosca vem publicando argumentos que contemplam a sustentação da alta, mas seria imprudente não ouvir os que acreditam ao contrário.

Os relatórios da Gavekal em sua maioria, oferecem visões que nem sempre são percebidos pelos outros analistas, realmente vale a sua leitura. Mas mesmo dentro dessa empresa existem opiniões distintas. Um de seus sócios publicou motivos para acreditar que a bolsa deve cair no futuro próximo.

Os argumentos para se tornar negativo são os mesmos hoje, aos de início de abril, e ficam ainda mais claros se considerarmos quatro falácias que impulsionaram a enorme recuperação nos preços das ações desde 23 de março. Como alternativa, essas podem ser as quatro razões pelas quais ele errado há dois meses e estará errado novamente agora:

    1)   Melhorar as notícias do Covid-19 faz subir as ações

Melhores notícias sobre medicamentos e infecções Covid-19 têm sido a principal razão pela qual os investidores compraram ações. Uma boa ilustração foi a ruptura acima dos principais níveis técnicos no S&P 500 e Nasdaq em 18 de maio, quando Moderna anunciou uma suposta descoberta de vacina (e seus executivos venderam prontamente US $ 30 milhões em ações pessoais). Esse tipo de compra direcionada é particularmente relevante para investidores de varejo e Algoritmos treinados por Inteligência Artificial.  As injeções de liquidez do Fed destacadas no post detetive-financeiro, teria sido necessário, mas não suficiente, para alimentar a reversão do mercado em baixa desde o final de março - assim como o estímulo monetário necessário, mas não suficiente, para reverter os mercados em baixa, em recessões anteriores.


Essas duas categorias provavelmente foram as forças dominantes na recuperação, especialmente na fase mais recente, quando os investidores institucionais permaneceram bastante pessimista, com os níveis de caixa, aparentemente, em seus níveis mais altos desde 2001. Os clientes de varejo, por outro lado, abriram contas em números recordes e as operações com margem – alavancadas, dispararam. Sentimento do varejo, que mesmo em março, nunca caiu abaixo dos níveis mínimos, agora, esse indicador se recuperou a nível consistente com períodos de crescimento econômico muito confortável.


Enquanto isso, algoritmos treinados em IA aprenderam a responder a notícias de saúde, especialmente se definir tendências no investidor de varejo. O fato é, no entanto, que os preços das ações no final, não é determinado por estatísticas de saúde ou medicamentos e esperanças de vacinas. Os preços das ações dependerão, em última análise, das condições econômicas e das condições corporativas e lucros. Estes serão influenciados pelas notícias do Covid-19 apenas na medida em que essas notícias afetam a força das recuperações econômicas após o bloqueio.

    2)   Quando os bloqueios terminam, o mesmo ocorre com a recessão global

O que acontece nas semanas imediatamente após o levantamento da saúde pública aos bloqueios é irrelevante para a atividade econômica e o desempenho corporativo quando a vida volta ao “normal”, que pode ser em agosto ou setembro, na maioria dos cenários otimistas. Muitos investidores aplaudiram as vendas no varejo, reservas de restaurantes, consultas imobiliárias ou até indicadores de mobilidade após o final dos bloqueios. Mas essas são apenas respostas automáticas a remoção de restrições físicas à atividade social. Eles não nos dizem nada sobre como o consumo será afetado pelo aumento do desemprego ou como as empresas responderão aos investimentos, a falências generalizadas e à fraca demanda, em alguns dos setores de crescimento mais rápido da economia global, como hospitalidade, redes de negócios e viagens internacionais.

É possível que o consumo, o investimento e a contratação retornem depois das férias de verão e que injeções de dinheiro do governo serão gastos imediatamente, em vez de guardados. Mas parece mais provável que as perdas de empregos, cortes salariais e drenos de caixa corporativos que se seguirão rapidamente no final dos bloqueios, para não mencionar os receios contínuos sobre “a segunda onda ”, restringirá o investimento e a contratação das empresas. Nesse caso, um aumento na poupança doméstica por precaução é muito mais provável do que um boom nos gastos reprimidos do consumidor, pelo menos até o final deste ano.


Por que, então, investidores estão comprando ações de consumo como Apple, Tesla e até Walmart, a preços mais altos do que antes alguém já ouvira falar do Covid-19, no início deste? Uma resposta possível é que, agora as taxas de juros são muito mais baixas do que se imaginava possível em janeiro, e certamente permanecerá assim por pelo menos um ou dois anos. Mas parece que outra razão do otimismo implícito nos preços das ações de hoje é que, os investidores esperam que o mercado de ações "olhe para frente" e conduza os preços das ações muito antes de qualquer recuperação da atividade, e dos lucros, se tornar visível pelos dados econômicos e resultados corporativos. Nas condições sem precedentes de hoje, essa fé em preços de mercado prospectivos é outra falácia em sua opinião.



    3)   Os mercados de ações olham para o futuro e sobem antes do fim das recessões

É verdade que os preços das ações normalmente começam a se recuperar antes do fim das recessões, e recessões em todos os lugares é quase certo que termine, em um sentido formal, no próximo mês ou dois, por causa da recuperação da atividade econômica que é inevitável após o final dos bloqueios. Mas essa experiência histórica é irrelevante por pelo menos cinco razões.

Primeiro, o fim de uma recessão causada pelo levantamento mecânico de proibições no campo atividade é completamente diferente de uma recuperação econômica impulsionada por demanda de consumidores e negócios. Porque a natureza dessa recessão é completamente diferente de toda a experiência anterior, é literalmente impossível para os investidores preverem com confiança o momento ou o tamanho da qualquer recuperação nos lucros corporativos, que pode ou não ocorrer. Segundo, essa recessão é de magnitude mais profunda do que as experimentadas anteriormente em tempos modernos, tornando precedentes históricos potencialmente enganosos.

Terceiro, o mercado em baixa que acompanha essa recessão foi menor do que qualquer um na história e mais raso que os três últimos. Se a baixa de 23 de março no S&P 500 nunca é testada novamente, como muitos investidores agora assumem, então o mercado em baixa terá durado apenas três semanas - de 16 de março a 7 de abril - em termos da definição convencional de queda de -20% da pré-recessão ao pico. Pela mesma definição, os mercados em baixa que acompanharam as duas recessões anteriores duraram quatro anos (março de 2001 a março de 2005) e 2,5 anos (julho de 2008 a dezembro de 2010). Além disso, o mais recente mercado em baixa (se realmente acabou) viu um declínio de pico ao vale de -34%, muito menor do que os -56% na recessão de 2008-09 e -49% após a recessão de 2001.

Finalmente, mesmo que fosse válido fazer comparações com recessões anteriores (o que não é, devido às características sem precedentes da atual recessão) é simplesmente falso dizer que os preços das ações sempre caem antes do final de uma recessão. Em 2001, por exemplo, Wall Street continuou caindo em outros -30% nos 10 meses que se seguiram ao fim oficial da recessão em novembro de 2001.

    4)   Aqueles que esperam uma recuperação fraca podem se surpreender

O que deixa os altistas com um último argumento. Desde a maior parte do que explicou, é bastante óbvio que os investidores já devem estar antecipando a mais fraca das recuperações registrada. Isso significa que qualquer boa notícia, seja do ponto de vista econômico, dados ou resultados corporativos, será uma surpresa agradável e causará grande avanço nos preços, enquanto más notícias serão descontadas como “já estão nos preços". Este argumento, faria sentido se os preços e avaliações de ações hoje estivessem perto de seus níveis mais baixos como em março de 2009 e setembro de 2003. Mas, as ações populares de crescimento estão hoje no preço ou nas avaliações mais altos registrados. E até mesmo as ações cíclicas, fora de moda atualmente, parece precificar por um retorno às condições econômicas normais dentro dos próximos 12 a 18 meses.



Uma recuperação completa poderia muito bem acontecer, apesar da profundidade sem precedentes da recessão atual e os danos sem antecedentes a muitos setores chave da economia mundial, devido a um estímulo fiscal e monetário sem precedentes. Se você é um keynesiano, acredita que os problemas do lado da oferta geralmente podem ser superados estimulando a demanda, você pode até acreditar que uma recuperação completa até o próximo ano é bastante provável. Mas, nem mesmo o keynesiano mais dogmático afirmaria que uma recuperação completa é 100% certa, até o próximo ano ou até 2021. No entanto, um retorno quase certo a normalidade econômica parece ser o preço atual das ações, especialmente nos EUA.

Assim, ele acredita que, ao contrário de colegas, os preços das ações se recuperaram a um nível em que, surpresas negativas terão mais impacto do que boas notícias. Está convencido de que mais surpresas negativos virão pela frente nos próximos meses.

Razões para otimismo

Acredita que existem boas razões para os preços das ações ultrapassar os níveis atuais nos próximos 12 a 18 meses:

1) O estímulo fiscal keynesiano, apoiado pela impressão ilimitada de dinheiro.
2) Políticas de taxa de juros zero podem criar uma bolha do tipo 1999 nas avaliações
3) A União Europeia poderia concordar sobre uma política fiscal pan-europeia.
4) China e Ásia poderiam sair ilesos do Covid-19 e dissociar dos EUA e da Europa.

Seu palpite é que várias dessas razões para otimismo acabarão não acontecendo - e possivelmente todos os quatro. Mas, no momento, isso é apenas especulação, que é porque se atem à estrutura de três estágios:
No longo prazo (digamos a partir de 2023), recursos monetários e fiscais ilimitados, combinada com a reversão das tendências estruturais de desinflação devido desglobalização e mudanças na tecnologia e na política, acelerará inflação fazendo com que o capital flua dos títulos para ativos real, como ocorreu em 1950 e 1960.

A perspectiva de médio prazo (de um a três anos) para as ações poderia ser muito positiva, pelas razões listadas acima.

Mas a curto prazo (de um a três meses), um novo mercado em alta precisará ser lançado a partir de uma base baixa o suficiente para refletir os resultados sem precedentes e desafios que a economia mundial enfrenta agora. Um aumento sustentável das ações. é improvável já que os preços começaram a subir em 23 de março, apenas um mês da pior recessão da história, em meio às incertezas tão extremas quanto são hoje. O real teste das mínimas de março parece, portanto, quase inevitável, provavelmente dentro nos próximos três a seis meses.

No post hong-kong, fiz os seguintes comentários sobre o SP500: ...” O gráfico acima com janela semanal aponta o próx imo ponto aonde poderia eventualmente ocorrer uma reversão. Agora, se for ultrapassado, os vendidos irão jogar a toalha” ...

A única posição que o Mosca resolveu assumir neste momento é na bolsa americana. Mesmo com argumentos contrários como o exposto no post de hoje, do ponto de vista técnico, parece um bom, risco x retorno. Também tive o cuidado de calibrar o tamanho de acordo com as condições atuais de volatilidade, ficando sempre atento ao lema que: dinheiro não é capim.

Estamos próximo ao nível apontando acima de 3.150, e uma decisão de faz presente, na verdade, se o índice chegar lá: devemos liquidar a posição ou continuar?

Eu anotei no gráfico acima, 3 candidatos a uma possível reversão: o primeiro é no intervalo entre 3.140-3.150, que se ultrapassado leva ao segundo a 3.240, que se ultrapassado, o próximo seria o máximo ocorrido em fevereiro de 3.385.

O que fazer? Não tenho uma posição definida pois nem chegou lá, mas é justo que se reflita antes, para ter uma estratégia. Agora, sem dúvida o stoploss deve ser reajustado de qualquer forma a 2.970.

O leitor pode escolher aquilo que mais lhe convém, não tem certo ou errado ex ante, porque ex post é moleza decidir.

O SP500 fechou a 3.122, com alta de 1,36%; o USDBRL a R$ 5,0626, com queda expressiva de 2,80%; o EURUSD a 1,1233, com alta de 0,63%; e o ouro a U$ 1.698, com queda de 1,57%.

Fique ligado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário